Reservatório de Serra da Mesa (GO) tem perspectiva de chegar ao início do período chuvoso com mais de 16% de armazenamento de seu volume útil

 em Destaque, Goiás, Sustentabilidade
Foto: Rui Faquini / Banco de Imagens ANA

 

A temporada chuvosa na bacia do Tocantins começa em 1º de dezembro. Para esta data, a previsão é de que o reservatório da hidrelétrica de Serra da Mesa (GO) chegue a um volume útil armazenado de 16 a 18%, patamar semelhante ao de 1º de dezembro de 2015, quando Serra da Mesa registrou 15,7%. Caso esta previsão se confirme, o reservatório iniciará o período chuvoso num nível mais alto do que o registrado entre 2016 e 2018. A informação foi dada durante a reunião da Sala de Crise da Bacia do Rio Tocantins, realizada nesta terça-feira, 25 de junho, na sede da Agência Nacional de Águas (ANA), em Brasília, e por videoconferência.

Esta melhora se deve à política de operação adotada ao longo do período chuvoso, que permitiu uma maior acumulação de água em Serra da Mesa, o maior reservatório da bacia, que fica na região de cabeceiras do rio Tocantins e que libera água para os demais reservatórios do sistema: Cana Brava (GO), São Salvador (TO), Peixe Angical (TO), Lajeado (TO), Estreito e Tucuruí (PA).

No momento, a bacia do Tocantins está num cenário de armazenamento semelhante ao registrado entre 2017 e 2018. As vazões e afluências estão abaixo da Média de Longo Termo (MLT) tanto em Serra da Mesa quanto no reservatório de Estreito (TO/MA) com base nos dados de outubro de 2018 a junho de 2019 apresentados pelo Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS). Apesar das baixas vazões e afluências, a normalidade dos usos da água ao longo do rio Tocantins tem permanecido.

Além da ANA e do ONS, participaram da reunião da Sala de Crise de hoje representantes do Ministério de Minas e Energia (MME), Ministério do Meio Ambiente (MMA), Ministério da Infraestrutura, Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (CEMADEN), Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Naturais do Maranhão (SEMA/MA), Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos de Tocantins (SEMARH/TO), Defesa Civil, BR Energia, Enerpeixe e Furnas. A próxima reunião da Sala de Crise está marcada para 13 de agosto para avaliação da temporada de praia e da situação dos reservatórios da bacia.

Hidrelétrica de Serra da Mesa

A Usina Hidrelétrica de Serra da Mesa tem capacidade instalada para geração de 1.275 MW, segundo dados de Furnas, e atende ao mercado de energia elétrica do Sistema Interligado Sul/Sudeste/Centro-Oeste. Além disso, a hidrelétrica é responsável pela ligação entre este sistema e o Norte/Nordeste, sendo o elo da Interligação Norte-Sul. Com uma área de 1.784km², o reservatório da hidrelétrica é o maior do Brasil em volume de água: 54,4 bilhões de metros cúbicos (m³). Sua barragem para geração de energia fica no curso principal do rio Tocantins no município de Minaçu (GO).

Rio Tocantins

Com aproximadamente 2400km de extensão, o rio Tocantins é o segundo maior curso d’água 100% brasileiro, ficando atrás somente dos cerca de 2800km do rio São Francisco. O Tocantins nasce entre os municípios goianos de Outo Verde de Goiás e Petrolina de Goiás. Ele também atravessa Tocantins, Maranhão e tem sua foz no Pará perto da capital Belém. O rio também pode ser chamado de Tocantins-Araguaia, por se encontrar com o rio Araguaia entre Tocantins e Pará. Os dois cursos d’água também dão nome à Região Hidrográfica do Tocantins-Araguaia, que é a maior do Brasil em área de drenagem 100% em território nacional. Por serem rios interestaduais, a gestão das águas do Tocantins e do Araguaia é de responsabilidade da ANA.

 

Fonte: Agência Nacional de Águas 

Postagens Recomendadas
Contato Comercial

Comece a digitar e pressione Enter para pesquisar