Moradores da zona rural de Catalão ficam mais de uma semana sem energia elétrica

 em Economia, Goiás

Interrupção da energia por mais de uma semana, neste mês de novembro, na zona rural de Catalão, provocou prejuízos e revolta em produtores. Quem denuncia é Geraldo Vieira Rocha, primeiro vice-presidente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Goiás (Fecomércio/GO) e presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Catalão (Sindilojas Catalão).

“A Enel tem faltado, não só na cidade, mas principalmente na zona rural. Na região de Santo Antônio de Rio Verde, que é distrito de Catalão, ficamos oito dias contínuos sem energia. A energia só voltou neste domingo, 24/11, por volta das 16h”, disse. “Com isso, tivemos um prejuízo grande para os produtores. Pessoal que tira leite perdeu uma quantidade significativa de produto, donas de casa perderam carnes e outros alimentos em suas geladeiras”, apontou, citando que muitos pequenos produtores tiveram a subsistência prejudicada. “É um descaso grande com a área produtiva”, resume, sobre a atuação da Enel.

O vice-presidente da Fecomércio disse que os produtores estão pedindo reparação dos danos e já se organizam para adotar medidas judiciais. “O Sindilojas apoia esta medida, porque esta situação afeta, inclusive, investimentos”, aponta, sobre falta de estrutura fornecida pela Enel, por exemplo,  para quem quer abrir novos negócios.

Geraldo Rocha disse o comércio também está sendo afetado. “Prestadores de serviço, por exemplo, tem reclamado que também estão tendo prejuízo. Não têm podido usar equipamentos que precisam de energia para funcionar”, apontou. “Ou seja, as interrupções de energia estão afetando a economia, em geral”, acrescenta.

Geraldo conta que a região do distrito reúne, dentre outros, produtores de leite e de soja. “Estávamos iniciando o plantio de soja, precisando fazer o tratamento das sementes. E não podíamos fazer, porque não tinha energia, tendo que buscar geradores”, lamenta. “Parece que eles diminuíram o número de prestadores de serviço, apesar de ter aumentado o valor da energia. A gente faz as solicitações e é a mesma coisa de não estar fazendo. Isso tem angustiado os produtores”, disse, sobre reclamações e pedidos, que devem ser encaminhados a Enel apenas por telefone ou pelo aplicativo.

“Com toda deficiência que tinha a Celg, ela conseguia fazer uma prestação de serviço melhor do que a Enel.  Tem alguma coisa errada em relação a essa empresa: está visando muito a parte financeira e se esquecendo de investir na prestação de serviço”, acusa. “A gente reclamava da Celg, mas a gente era feliz e não sabia”, ironiza.

 

Postagens Recomendadas

Deixe um Comentário

Contato Comercial

Comece a digitar e pressione Enter para pesquisar