Balneabilidade

 em Goiás +20

O que é balneabilidade?

Balneabilidade é a qualidade das águas destinadas à recreação de contato primário, sendo isto entendido como um contato direto e prolongado com a água (natação, mergulho, esqui-aquático, etc), onde a possibilidade de ingerir quantidades significativas de água é também expressiva. É pelo estudo da balneabilidade de uma praia – seja doce ou salgada – que se compreende a medida das condições sanitárias, objetivando a sua classificação em própria e imprópria para o banho, em conformidade com as especificações da resolução CONAMA nº 274/2000.

Grande atração turística, as praias de Aruanã são utilizadas como importantes áreas de recreação e lazer. Assim, o monitoramento sistemático e a conservação das praias, mantendo-as em condições próprias para recreação primária e informando aos banhistas das suas condições de balneabilidade, se apresenta como uma grande preocupação da Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos (Semarh).

Corpos d’água contaminados por esgoto doméstico ao atingirem as águas das praias podem expor os banhistas a bactérias, vírus e protozoários. Crianças e idosos, ou pessoas com baixa resistência, são as mais suscetíveis a desenvolver doenças ou infecções após terem nadado em águas contaminadas.

As doenças relacionadas ao banho, em geral, não são graves. A doença mais comum associada à água poluída por esgoto é a gastroenterite. Ela ocorre numa grande variedade de formas e pode apresentar um ou mais dos seguintes sintomas: enjôo, vômitos, dores de estômago, diarréia, dor de cabeça e febre. Outras doenças menos graves incluem infecções de olhos, ouvidos, nariz e garganta. Em locais muito contaminados os banhistas podem estar expostos a doenças mais graves, como disenteria, hepatite A, cólera e febre tifoide.

É importante que os municípios estejam atentos ao tratamento dos efluentes e à gestão de seus resíduos sólidos, para que seus habitantes mantenham-se saudáveis, produtivos e longe de qualquer risco de contaminação por meio da água.

Classificação da Balneabilidade segundo a resolução CONAMA nº 274/2000

Segundo a resolução CONAMA nº 274/2000, as águas doces, salobras e salinas, destinadas à recreação de contato primário, podem ser classificadas em quatro categorias, a saber: EXCELENTE, MUITO BOA, SATISFATÓRIA ou IMPRÓPRIA, podendo ser usado como critério de enquadramento as quantidades de coliformes fecais encontradas em um conjunto de cinco amostras, coletadas durante semanas consecutivas (ver tabela abaixo).

As categorias de balneabilidade EXCELENTE, MUITO BOA e SATISFATÓRIA podem ser reunidas em uma única categoria denominada PRÓPRIA. Mesmo apresentando valores de coliformes fecais inferiores a 1000, uma praia poderá ainda ser classificada como IMPRÓPRIA quando: houver incidência relativamente elevada ou anormal de doenças por veiculação hídrica; apresentar sinais de poluição por esgotos, perceptíveis pelo olfato ou visão; acusar recebimento regular intermitente ou esporádico de esgotos por intermédio de valas, corpos de água ou canalizações, inclusive galerias de águas pluviais; indicar presença de resíduos ou despejos, sólidos ou líquidos, inclusive óleos, graxas e outras substâncias capazes de oferecer riscos à saúde ou tornar desagradável à recreação; apresentar pH menor que 5 ou maior do que 8,5; acusar, na água, presença de parasitas que afetem o homem ou a constatação da existência de seus hospedeiros intermediários infectados e outros fatores que contra-indiquem, temporária ou permanentemente, o exercício de recreação de contato primário.

Enquadramento das condições de balneabilidade com base na resolução CONAMA 274/2000

CATEGORIA LIMITE DE NMP COLIFORMES FECAIS/100mL

EXCELENTE – Máximo de 250 em 80% ou mais das amostras

MUITO BOA – Máximo de 500 em 80% ou mais das amostras

SATISFATÓRIA – Máximo de 1000 em 80% ou mais das amostras

IMPRÓPRIA – Acima de 1000 em mais de 20% das amostras

Postagens Recentes
Contato Comercial

Comece a digitar e pressione Enter para pesquisar