Agrodefesa apreende e inutiliza mais de mil mudas de espécies frutíferas

 em Destaque, Goiás

Na última semana, fiscais estaduais agropecuários da Agência Goiana de Defesa Agropecuária (Agrodefesa) apreenderam e inutilizaram cerca de 1.200 mudas de espécies frutíferas, tais como citros, uva, coco, goiaba, cajá, jabuticaba e helicônias ornamentais (família da banana), nos municípios de Mineiros, Rio Verde e Goiânia. Ao todo foram abordados cinco caminhões, em diferentes pontos de venda. Em mudas de citros apreendidas em Mineiros há suspeita de sintomas de cancro cítrico, sendo que o material foi amostrado e enviado para análise laboratorial em Goiânia. As apreensões foram realizadas em operações móveis.

A atuação da defesa agropecuária tem como objetivo impedir a comercialização de materiais propagativos que possam transmitir e/ou disseminar doenças ainda inexistentes no Estado ou que estejam restritas a determinadas áreas, para as demais regiões produtoras. O cancro cítrito (Xanthomonas axonopodis) é uma das pragas que podem causar grandes prejuízos aos produtores e à economia do Estado. Outras doenças que exigem cuidado são a sigatoka negra (Mycosphaerella fijiensis) e o moko (Ralstonia solanacearum, raça 2), na cultura da banana, as quais também podem ser transmitidas por plantas ornamentais como a helicônias.

O comércio ambulante de mudas de espécies frutíferas em caminhões, caminhonetes e até mesmo veículos de passeio é proibido em Goiás, conforme estabelecido na Instrução Normativa nº 4/2011 da Agência Goiana de Defesa Agropecuária, além de outras determinações legais do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). Ainda assim, quase nove anos após a vigência da normativa, pessoas insistem nesta prática que pode representar sérios riscos fitossanitários aos pomares comerciais em Goiás.

Quem pode vender

A legislação estadual define que a comercialização de mudas ou sementes só pode ser feita por produtor, reembalador ou comerciante inscrito no Registro Nacional de Sementes e Mudas (Renasem) e, ainda assim, no respectivo endereço informado no requerimento de inscrição no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – Mapa. Dessa forma, sementes e mudas apreendidas pela fiscalização em situação de comércio ambulante são sumariamente destruídas, não cabendo aos infratores qualquer indenização, conforme o artigo 3º da IN nº 4/2011.

O trabalho de fiscalização é permanente. Além do combate ao comércio ambulante, os viveiros e floriculturas regularmente cadastrados também são inspecionados pelos fiscais e estão sujeitos ao cumprimento de padrões de sanidade e produção, com rastreamento da origem das mudas, o que garante melhor condição fitossanitária e menor necessidade de replantio. Os consumidores finais como chacareiros, sitiantes, produtores, assentados e moradores de áreas urbanas devem adquirir mudas de viveiros e floricultura idôneos cadastrados na Agrodefesa, para não comprometer a fitossanidade da fruticultura goiana.

 

Informações: Agrodefesa

Postagens Recomendadas

Deixe um Comentário

Contato Comercial

Comece a digitar e pressione Enter para pesquisar