5 grandes problemas que as Unidades de Conservação enfrentam no Brasil

 em Destaque

As Unidades de Conservação são a fronteira onde a natureza resiste aos avanços inconsequentes do homem. Proteger estes territórios é a difícil missão de gestores e servidores dedicados à causa ambiental. E os desafios são muitos.

Das queimadas à caça e ao desmatamento, vários problemas assolam unidades de norte a sul do país, independente da sua categoria. Combatê-los não é tarefa fácil, mas a crescente conscientização das pessoas sobre a importância da conservação é um dos passos fundamentais. Afinal de contas, é a mão humana que empunha a motosserra, acende o fósforo e dispara a espingarda; e é a mão humana quem tem o poder de pará-las.

O WikiParques fez uma lista com os cinco principais problemas que as unidades de conservação enfrentam hoje no Brasil e os seus impactos.

  1. Desmatamento
O triste retrato da destruição provocada pelo desmatamento. Foto: Ana Cotta/Flickr

O triste retrato da destruição provocada pelo desmatamento. Foto: Ana Cotta/Flickr

O desmatamento é um dos maiores inimigos de uma Unidade de Conservação. A fiscalização é uma tarefa difícil, ainda mais diante das equipes reduzidas da maioria das unidades.

Recentemente, o Imazon produziu um relatório no qual levanta os dados do desmatamento em UCs da Amazônia Legal entre 2012 e 2015. O número assusta: foram 237,3 mil hectares de áreas desmatadas dentro das próprias unidades. Segundo o relatório, esse desmatamento equivale a aproximadamente 136 milhões de árvores destruídas, assim como o habitat de 4,2 milhões de aves e 137 mil macacos.

As unidades de conservação da Floresta Amazônica não são as única que sofrem com o desmatamento. O Cerrado também é um bioma sensível às pressões do desmatamento provocado pela voracidade da agropecuária na região central do país.

  1. Caça
Foto: Carlos Dário/PED

Foto: Carlos Dário/PED

Caçadores que desrespeitam as normas de proteção de Unidades de Conservação são um problema comum no Brasil inteiro. Seja por esporte, para o tráfico ou para consumo, a caça ilegal de animais silvestres representa um sério desafio. Combatê-la exige ampla e constante fiscalização do território da unidade para apreensão de armadilhas e retirada dos abrigos usados pelos caçadores. Exige também  campanhas fortes para conscientização das populações sobre os impactos provocados pela caça na fauna, dentre eles a extinção local de espécies. A caça de animais silvestres é proibida por lei desde 1967.

  1. Regularização fundiária
Onde termina a propriedade? Onde começa o parque? Foto: Pixabay

Onde termina a propriedade? Onde começa o parque? Foto: Pixabay

A regularização fundiária de uma Unidade de Conservação é o processo de identificação e definição da propriedade ou direito de uso de terras e imóveis no seu interior, e a seguinte incorporação de todas estas terras ao poder público e ao órgão responsável pela gestão da unidade. Muitas terras, porém, não possuem título de propriedade de terra ou um documento oficial que confirme a posse. Os problemas fundiários no Brasil são antigos e muitas unidades não conseguem efetivar sua implementação devido às irregularidades que emperram a consolidação do território como área de gestão pública.

  1. Incêndios
A força destruidora do fogo. Bert Knot/Flickr

A força destruidora do fogo. Bert Knot/Flickr

A maioria dos incêndios que assolam as Unidades de Conservação brasileiras começam fora delas. O uso do fogo como ferramenta para renovação da pastagem é uma prática comum entre os proprietários de terra. Quando estas zonas de pasto se encontram vizinhas ou próximas à áreas protegidas, com facilidade o fogo as invade, seja por ação do vento ou mesmo por acúmulo de combustível na vegetação — característica da época seca. O desafio, portanto, é principalmente conseguir orientar e sensibilizar as comunidades do entorno da unidade sobre as consequência do uso não controlado do fogo, opção que entendem como barata e “mais fácil” para limpar os pastos.

  1. Falta de recursos humanos e financeiros
Equipes muito reduzidas têm que fiscalizar áreas de milhares de hectares. Foto: ICMBio

Equipes muito reduzidas têm que fiscalizar áreas de milhares de hectares. Foto: ICMBio

A mãe de todos os problemas. Em um contexto geral, seja federal, estadual ou municipal, boa parte das  Unidades de Conservação do Brasil sofrem ou com falta de recurso financeiro ou com falta de recurso humano, ou com os dois. Proteger áreas de relevância natural com tamanhos por vezes maiores que municípios inteiros exige dinheiro e, mais importante até, exige mão-de-obra. Fazer a gestão e fiscalização sem verba e equipe proporcionais exige verdadeiros “malabarismos” de nossos hercúleos gestores, gestoras e servidores.

Denúncias:

Para denunciar crimes ou agressões ao meio ambiente entre em contato com o serviço Linha Verde do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) pelo telefone 0800-61-8080 ou pelo e-mail linhaverde.sede@ibama.gov.br. A ligação é gratuita de qualquer ponto do País e funciona de segunda a sexta-feira (exceto feriados), das 08h00 às 18h00.

Fonte: WikiParques

Postagens Recentes
Contato Comercial

Comece a digitar e pressione Enter para pesquisar