Rotas de tartarugas marinhas podem indicar novas unidades de conservação 0

Publicado em 16 de outubro de 2016

Uma pesquisa do Projeto Tamar, em andamento desde 2014, começa a mostrar que as tartarugas-de-pente podem ser indicadores na proposição de novas unidades de conservação (UCs) no litoral brasileiro. A espécie depende de ambientes recifais saudáveis para alimentação e desenvolvimento e precisa de atenção adicional por estarem entre as tartarugas marinhas mais ameaçadas de extinção no mundo. Até agora, foram dois momentos de captura e marcação em 12 fêmeas rastreadas em 2014/2015; e mais 12 fêmeas rastreadas em 2015/2016. Destas, 20 alcançaram as áreas de alimentação. Nesta temporada de reprodução, que se inicia ainda em 2016, mais seis transmissores serão