‘Floresta digital’ permite agiliza pesquisa sobre biodiversidade 0

Publicado em 18 de agosto de 2016

Um dos argumentos mais usados para se preservar a biodiversidade – além do valor dela por si só e dos serviços que presta – é que nas matas do País podem estar escondidas riquezas na forma de moléculas com potencial para virar remédios, cosméticos ou outros produtos de interesse comercial. Mas até hoje isso pouco vingou. Em parte porque a pesquisa é mesmo complexa, o acesso é difícil e também porque ainda estamos atrasados em um ponto básico: mapear o que está nas florestas. Um grupo de pesquisadores da Universidade Federal do Rio de Janeiro está inovando esse processo.